9 de agosto de 2011

O combate árduo contra a irreligião juvenil Reformatado

Mons. Tihamér Tóth
Livro de 1951 - 199 págs

Fonte

Prefácio   

O volume de Monsenhor Tihamér Tóth, que hoje oferecemos aos leitores brasileiros, representa sem dúvida magnífico reforço ao combate árduo contra a irreligião juvenil.
   A idade gentil e promissora da adolescência, a par de tantos predicados e esperanças, costuma acompanhar-se de lastimáveis precalços. É a sede de independência a desabrochar, na aurora da personalidade que desponta. É a idéia mágica de liberdade, em face de todos os valores, também religiosos. E o jovem receia continuar o cultivo da piedade, pois lhe parece que no desabamento das estruturas de sua infância, uma das primeiras colunas que fraquearam foi precisamente a educação religiosa, o hábito da Fé. Ele não sabe - ou não lhe ensinaram - a defesa dos princípios da religião, na luta contra as objeções que se levantam de todas as partes, sobretudo de dentro de sua própria personalidade.
 É a crise da fé, na juventude. Quantos se deixam derrotar! Por falta, é certo, de correspondência dos auxílios da graça, que jamais faltam. Mas também pela carência de guias seguros, experimentados e amigos...
 Um guia seguro, experimentado e amigo - é o presente livro, de um dos mais profundos conhecedores da mocidade. Monsenhor Tihamér Tóth. Somos felizes de continuar sua obra inapreciável em benemerência para os moços, e de ampliá-la mesmo, com a divulgação em nossa língua.
 A tradução portuguesa é devida, em sua quase totalidade, ao professor José Warken, catedrático há muitos anos no Ginásio Catarinense de Florianópolis.

Os Editores
* * * 

A Aranha Insensata


    
    Em bela manhã de abril, conta Joegensen numa das suas engenhosas parábolas, estava a atsmosfera cheia de tênues fios. Tendo-se prendido um deles na elevada copa de uma árvore, uma pequenina aranha, valendo-se dele, veio firmar o pé na folhagem. Imediatamente lança novo fio, prende-o à copa e consegue descer até no pé da árvore. Ali encontrou um arbusto assaz ramificado e logo pôs mãos à obra: tecer uma teia. A extremidade superior do tecido foi atada à longa fibra pela qual baixara; as pontas restantes, prendeu-as aos ramos da sarça.
    Esplêndida rede foi o resultado do seu esforço, meio excelente para pegar moscas. Mas, uns dias após, pareceu-lhe pequena demais, e a aranha começou a ampliá-la em todos os sentidos. Graças ao fio resistente que segurava no alto, pôde realizar seu intento. E, quando as gotas de orvalho da manhã de outono cobriam o tecido, ele brilhava na luz baça do Sol, como um véu de pérolas.
   Orgulhosa de sua obra, a aranha desenvolvia-se a olhos vistos. Criou ventre volumoso. Talvez nem se lembrasse mais como era miserável e esfaimada quando pousara no alto da árvore, no começo do outono.
    Certa manhã, entretanto, ela acordou mal-humorada. Tudo estava nebuloso e nenhuma mosca em toda a redondeza... Que se poderia fazer em dia tão horrivelmente fastidioso? "Farei uma pequena ronda", resolveu  enfim, “quero ver se a teia não necessita de conserto em algum lugar”.
    Cada fio foi examinado, a ver se estava bem seguro. Defeito não encontrou, mas apesar disso, seu intratável mau  humor agravava-se.
    Enquanto vagueava indisposta pela rede, a aranha deu subitamente com um fio comprido, cuja extremidade não podia achar. Todos os demais ela bem os conhecia: este vai dar ali, a ponta quebrada do galho, aquele, acolá ao  espinho. A aranha sabia de todos os raminhos e de todos os fios; mas, que pensar deste fio diferente? Incompreensível, ia para o alto, metia-se simplesmente ar a dentro!  Que mistério esse!
   A aranha levantou-se nas patinhas traseiras e olhou para cima, com seus múltiplos olhos. "Nada se vê! Este fio não tem fim! Por mais que eu olhe, o fio se perde nas nuvens!" resmungou ela.
     Quanto mais a aranha se enforcava por desvendar o enigma, tanto mais se enfurecia. Qual a finalidade do fio que se some nas alturas? — Naturalmente, durante seus intermináveis festins, perdera de memória que fora por este fio que ela descera em abril. Também não se lembrava do quanto ele lhe fora útil no tecer e ampliar a teia, sustentando toda a construção. Tudo já estava esquecido. Só uma coisa via: aqui, sobe para o ar um fio inútil, absolutamente inútil, porque dependurado das nuvens.
     "Fora com ele!" gritou, desvairada de raiva, e... cortou o fio...
   No mesmo instante desmoronou-se a teia... e quando a aranha recobrou os sentidos, jazia paralizada no solo, debaixo do arbusto, enquanto os restos do fino véu, semeado de pérolas argênteas, cobriam-na como fiapos molhados. Nesse dia tornou-se pobre e sem lar; um instante foi suficiente para destruir todo o seu trabalho, porque não compreendera a finalidade do fio que conduzia ao alto.
     Jovem! Também a alma do homem casto está unida a Deus por meio dum fio que se eleva ao Céu.
     Esse fio é a religião.
    Quem o corta, torna-se mendigo errante e sem pátria; quem o guarda com solicitude, nele acha arrimo para uma  existência harmoniosa e penhor da felicidade eterna. Que esse fio, que nos une a Deus, nosso Pai Celesle, nunca  venha a romper-se na alma de cada um de meus jovens leitores.

6 comentários:

Cléber Donato disse...

Link quebrado...

A_Católica disse...

Link Retificado!

Um Usuário Qualquer disse...

Link quebrado

A_Católica disse...

SM!

Não há problemas com este link, aconselho-te a verificar seu browser ou antivírus, pois está tudo funcionando normalmente,

Saudações!

Jorge Medeiros disse...

Não é valido

A_Católica disse...

Salve Maria, Jorge!
O arquivo foi reformatado e o link atualizado. Aproveito para pedir-lhe que não deixe de ajudar este apostolado ao efetuar qq download,

Saudações!

Postar um comentário

Qualquer quantia tem grande valor

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2015/12/qualquer-quantia-tem-grande-valor.html

O SANTO DE AUSCHWITZ

Assim dizia São Maximiliano Kolbe:

"De muito boa vontade oferecemos leituras gratuitas a todos aqueles que não possam oferecer nada para esta obra, mesmo privando-se um pouco."

O que é ser um Benfeitor do Blog?

O que é ser um Benfeitor do Blog?
Clique na Imagem

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo