17 de novembro de 2016

Restauremos a Poesia em Cristo

Jorge de Lima Murilo Mendes
Transcrição da edição de 1934 - 138 páginas


NOTA PRELIMINAR(1)
Tristão de Ataíde
Exatamente na véspera de Pentecostes Murilo Mendes me entrega o livro de poemas que acaba de publicar com Jorge de Lima: Tempo e Eternidade.
E a despeito de já conhecer algumas dessas páginas, foi tal a impressão recebida que não posso, nesta crônica de exaltação da grande e pura arte cristã, passar em silêncio essa publicação considerável para a história de nossa poesia. Se os poemas de Jorge de Lima refletem na sua graça ou mesmo no seu hermetismo, o sentimento religioso popular, nas suas ondulações, no seu devaneio, através do temperamento tão original e moderno do seu autor – que é um dos maiores intérpretes vivos da alma brasileira; se neles a poesia sobe como uma seiva da terra – surgem os de Murilo Mendes como uma projeção violenta da poesia mais pura, unida às mais altas manifestações da Verdade, no campo das nossas letras. Raramente, na história delas tem a poesia alcançado horizontes tão largos. Ela aparece, nessas páginas, curtas mas impressionantes, despida de todo pieguismo, vazia de qualquer artifício visível ou de ornato supérfluo, numa revelação puríssima da beleza do mundo tal como a exprime o dogma católico. Porque esses poemas refletem diretamente a beleza dogmática da Verdade. Suas linhas são lisas, altas, diretas, rudes, como as da própria figura da Igreja tão desfigurada pelo Romantismo devoto ou pela paixão sectária.
Há poemas curtos e fáceis, verdadeiros pontos de exclamação poéticos. E há poemas longos e salmodiados, que nos levam por suas asas possantes, ao longo dos tempos e à luz da eternidade. Poesia objetiva, mas sem sombra de preocupação, de preocupação descritiva ou panteísta. Poesia hierática, mas sem frieza. Poesia católica, essencialmente católica, poesia episcopal, desassombradamente eclesiástica e pontifícia, na mais bela acepção desses termos – sem qualquer vislumbre de sentimentalismo devoto ou de falso classicismo.
Moderna, extremamente moderna, mas sem qualquer Modernismo artificial. Poesia, enfim,  que lida num cenáculo de homens de fé, numa hora de fraternidade e de meditação, nos levantou a todos como uma só alma num sentimento unânime de alegria e de comunhão com o Santo dos Santos.
Murilo Mendes atingiu de chofre, nessas páginas de convertido, um diapasão poético que me desvaneço profundamente de ter podido pressentir, quando há alguns anos já, longe ainda de qualquer inspiração religiosa, vagueava ele angustiadamente em luta contra anjos de trevas e de luz, escrevendo nas costas de papel de um banco em que era empregado versos de alucinação e de desespero.
Era a procura, a ansiedade, o descontentamento de tudo o que era privado da Luz que nunca se apaga. Era a marcha áspera na encosta, nos arredores do templo, nos caminhos pedregosos para a Cruz, que é o terceiro plano daqueles que a Igreja considera os soldados desconhecidos do Cristo.
Folgo, pois, em poder aproximar nesta crônica páginas, de poesia e de prosa, que marcam, para a literatura brasileira, um dos mais altos cimos de sua grave inspiração moderna, nesta hora em que os ornatos caem; os malabarismos se desmoralizam; volta-se às coisas essenciais e certas almas desenganadas das aventuras intelectuais literárias levantam o véu do mistério e param estupefatas, pressentindo ou descobrindo a Fonte suprema da beleza e da explicação de todas as coisas.
Por muitos anos pedi aos modernos não fecharem os olhos ao sobrenatural, lado direito do tecido da vida de que somos apenas o avesso. Ei-lo aqui, o sobrenatural. Não foram esses os primeiros, certamente, que o trouxeram às nossas letras modernas. Nestes, porém, nesta prosa nua em torno do Cristo e nesses poemas católicos, em torno do seu Corpo Místico vemos a reação mais recente e mais impressionante contra os abusos que de novo se iam espalhando em nossas letras, de um naturalismo literário anacrônico ou impregnado de partis pris políticos. Nestas páginas, nada disto. Nenhuma preocupação apologética. Nenhum esforço de vencer a retórica. Nenhuma posição interessada. Nenhuma preocupação de agradar.
Esses dramas e esses poemas são um alimento forte, ácido mesmo e seco, que provavelmente não satisfará a todos os paladares.
Aqueles, porém, que estiverem cansados do convencionalismo literário ou do naturalismo de uma arte pornográfica ou panteísta hão de saudar nessas páginas da nossa mais moderna literatura, uma desforra memorável do Espírito contra a pieguice e a sensualidade. A beleza catedralícia de alguns desses poemas e a forca impressionante de certos diálogos desses dramas mostram, bem ao vivo, como não há mais alta inspiração para a arte do que o verdadeiro cristianismo católico.
___________
(1) Publicado em O Diário, Belo Horizonte, 23 junho 1935, sob o título "A Desforra do Espírito." Tristão de Ataíde é o pseudônimo de Alceu Amoroso Lima.

2 comentários:

breve encontro disse...

Sublime!!!

breve encontro disse...

Muita gratidão para a V. amabilidade

Postar um comentário

Qualquer quantia tem grande valor

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2015/12/qualquer-quantia-tem-grande-valor.html

O SANTO DE AUSCHWITZ

Assim dizia São Maximiliano Kolbe:

"De muito boa vontade oferecemos leituras gratuitas a todos aqueles que não possam oferecer nada para esta obra, mesmo privando-se um pouco."

O que é ser um Benfeitor do Blog?

O que é ser um Benfeitor do Blog?
Clique na Imagem

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo