15 de janeiro de 2014

A mais delicada obra de Deus Onipotente...

R. Pere Sylvestre Chauleur, OFM


Prefácio (Excertos)

A vida e a morte da Santíssima Virgem Maria, sua divina maternidade e sua deliciosa pureza são, há dezenove séculos, o atrativo, o triunfo e, de certa maneira, a beleza do Cristianismo. Todo o plano da Encarnação e da Redenção se prende à Virgem Santa que nele surge e permanece como a mais bela e mais delicada obra de Deus Onipotente: Maria, Virgem e Mãe, Maria, Mãe de Jesus, Maria, que se tornou por eleição de seu Filho, a mãe dos homens, permanece para toda a Igreja Rainha maravilhosa “que avança como a aurora, bela como a lua, pura como o sol, terrível como um exército em ordem de batalha". O esplendor dessa claridade ultrapassa toda expressão e, por toda parte e sem cessar, Ela nos dá o Senhor. Como afastar-se então de tal figura, como contemplá-La suficientemente; como estudá-La sem quedar maravilhado? Mas como poderão a fraca inteligência e a pobre memória humanas exprimir suas grandezas e não vacilar sob tal feixe de luzes?
É necessário retroceder muito além do nascimento de Maria para compreender a incomparável sublimidade da vida da Virgem.
Intimamente ligada ao mistério da Encarnação, Ela aparece nos desígnios de Deus numa época em que o tempo ainda não existia, e à qual não podem remontar as nossas faculdades criadas. Não é pois de admirar que nas páginas da Bíblia, prefácio da Encarnação, apareça de longe em longe, através da agitada história de Israel, a imagem da Virgem, como um astro que projeta seus rápidos clarões em meio de um mar imenso de constantes trevas.
Não temos o temerário pensamento de apresentar uma vida completa da Santíssima Virgem Maria. Ver-se-á, aliás, que a história pouco nos diz a respeito da Virgem Imaculada; mas ser-nos-ão permitidos alguns olhares à santidade de Maria, na qual a opinião popular nem ousa pensar porque a julga indissoluvelmente ligada às práticas extraordinárias que a maior parte dos fiéis não pode evidentemente executar, e que, entretanto, é oportuno mostrar nos dias febris em que vivemos.
[...] Esta Mãe, Ele a formou para ser na terra o modelo de todas as perfeições a que devemos aspirar, no céu a Advogada de todas as fraquezas a que estamos sujeitos, e, entre o Céu e a terra, a Medianeira de todas as graças. Estabelecendo Maria Corredentora do gênero humano, queria Deus ensinar-nos que tudo devemos pedir por intermédio de seu Coração Imaculado.
Jamais se compreenderá suficientemente o que fez a Santíssima Virgem pela humanidade na hora em que esta gemia sob os pés de alguns tiranos, mais infeliz ainda por causa de seus próprios vícios e degradação que pelos vícios e degradação de seus senhores.
Jamais se compreenderá suficientemente o que a Santíssima Virgem fez por todos, e especialmente pela mulher, porque, autora de nossa desgraça, maior era o peso de sofrimento que lhe pesava aos ombros frágeis.
[...] Sê, ó Virgem Santa, a fascinante Estrela que conduzirá os povos, cegos pelo materialismo, às claridades eternas.
Rabat
23 de Janeiro de 1945
Festa das Núpcias da Bem-Aventurada Virgem Maria


~ * ~

ÍNDICE

Prefácio
CAP. I — As Profecias e a Virgem Maria
CAP. II — A Família e o Nascimento da Virgem Maria
CAP. III — O Nome de Maria — Sua Apresentação — Seus Primeiros Anos
CAP. IV — O Matrimônio Virginal de Maria — A Anunciação
CAP. V — A Visitação — A Encarnação revelada a São José — O Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo
CAP. VI — A Circuncisão e a Apresentação no Templo — Os Magos — A Fuga para o Egito — A morte de Herodes — Volta a Nazaré
CAP. VII — Nazaré — Jesus perdido e achado no Templo — A Vida oculta — Morte de São José
CAP. VIII — Jesus deixa Nazaré — Ele anuncia à sua Mãe que chegou a hora de servir ao Pai
CAP. IX — As Bodas de Caná — Maria durante a Vida Pública de Jesus
CAP. X — A Paixão de Jesus — Compaixão e Méritos de Maria — Sua Maternidade Espiritual
CAP. XI — A Ceia — A Sexta-Feira Santa — A Cruz
CAP. XII — A Sepultura de Jesus e a Soledade de Nossa Senhora
CAP. XIII —   A Ressurreição — Os Quarenta Dias — A Ascensão — A Oração no Cenáculo e Pentecostes
CAP. XIV — Os últimos anos — Maria Mãe da Igreja e dos Fiéis — Ação e influência de Maria — São João, modelo dos verdadeiros filhos — Reino da caridade na alma de Maria
CAP. XV — A morte de Amor — A Assunção — Relações da Igreja e dos Fiéis com Maria viva no céu

2 comentários:

O Católico disse...

Prezada irmã do apostolado Alexandria Católica, Salve Maria!
O arquivo pdf do presente livro é de baixa qualidade, quase ilegível.
Encontrei na internet uma versão transcrita do mesmo, de qualidade muito superior. Segue o link:

https://mega.nz/#!LNoi1ajA!xay8gf36xveGW-TOMzFMz6ebIhzuvRsql3rjIapkq_U

Paz de cristo.

Alexandria Católica disse...

Salve Maria, O Católico!

Agradeço a lembrança,, pois eu já tinha este arquivo e esqueci de atualizar esta postagem com o novo pdf reformatado e a transcrição.

Deus lhe pague!

Saudações!

Postar um comentário

O SANTO DE AUSCHWITZ

Assim dizia São Maximiliano Kolbe:

"De muito boa vontade oferecemos leituras gratuitas a todos aqueles que não possam oferecer nada para esta obra, mesmo privando-se um pouco."

Qualquer quantia tem grande valor!

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2015/12/qualquer-quantia-tem-grande-valor.html

Vocação➡Monja Redentorista

Vocação➡Monja Redentorista
Clique na imagem para obter maiores informações!

Aderindo ao clube através da imagem abaixo você também nos ajuda!

Aderindo ao clube através da imagem abaixo você também nos ajuda!
CLIQUE NA IMAGEM E FAÇA PARTE!