12 de novembro de 2019

O Pensamento dos Grandes Mestres do Carmelo


Quero ver a Deus
Frei Maria-Eugênio do Menino Jesus
Edição de 1998 - 1144 págs

OBS.: o presente link encontra-se indisponível,
 pois recentemente o livro foi editado.

Resultado de imagem para Frei Maria-Eugênio do Menino Jesus
Beato Frei Maria-Eugênio do Menino Jesus (1894-1967), Carmelita descalço, além de uma intensa atividade no interior da Ordem desde 1922 até o fim de sua vida, destacou-se pela fundação do Instituto Notre Dame de Vie, na companhia de Marie Pila, que reúne leigas e leigos consagrados, sacerdotes diocesanos e, também, casais, com a proposta de viver o carisma carmelitano, nas realidades que lhes são próprias, no espírito do Profeta Elias, Pai da Ordem do Carmelo.


SUMÁRIO

Quadro – A Espiritualidade Teresiana: Quero ver a Deus
Siglas das obras
Apresentação
Frei Maria-Eugênio do Menino Jesus: Breve Biografia
Introdução da primeira edição
I Parte
PERSPECTIVAS
PRIMEIRO CAPÍTULO – O Livro das Moradas
A – Circunstâncias históricas
B – Método de composição e divisão da obra
C – Valor da obra
SEGUNDO CAPÍTULO – “Quero ver a Deus
A – Deus está presente na alma
I – Presença ativa de imensidade
II – Presença objetiva
III – Localização da presença objetiva no centro da alma
B – A vida espiritual é uma interiorização progressiva
C – A união transformante: meta da espiritualidade teresiana
TERCEIRO CAPÍTULO – Conhecimento de si mesmo
A – Objeto do conhecimento de si mesmo
I – Conhecimento psicológico
II – Conhecimento espiritual
a) O que somos diante de Deus
b) Riquezas sobrenaturais
c) Más tendências
B – Como adquirir o conhecimento de si mesmo?
QUARTO CAPÍTULO – A oração
A – Papel da oração na espiritualidade teresiana
B – O que é a oração
C – Graus de oração
QUINTO CAPÍTULO – O bom Jesus
A – Jesus Cristo na oração teresiana
B – Justificação teológica
SEXTO CAPÍTULO – Ascese teresiana
A – Ascese absoluta
B – Ascese adaptada
C – Ascese progressiva
SÉTIMO CAPÍTULO – O demônio
A – Natureza e poder dos demônios
B – Intervenções do demônio na vida espiritual
I – Frequência das intervenções do demônio
II – Modos e objetivo da ação do demônio
a) A tentação
b) A inquietação
c) Mentiroso e pai da mentira
C – Meios para reconhecer a ação do demônio
D – Como combater a ação do demônio
I – Armas para combater o demônio
a) Oração e vigilância
b) Jejum
c) A água-benta
II – Tática
a) O exercício da fé ou atos anagógicos
b) A humildade
OITAVO CAPÍTULO – Espírito teresiano
I – União com Deus
II – Zelo eliânico exercido pela oração e sacrifício
III – Zelo eliânico exercido pelas obras
IV – Síntese
NONO CAPÍTULO – Crescimento espiritual
A – Aspectos diversos e etapas
B – Mistério do crescimento
C – Pontos de referência na escuridão
II Parte
PRIMEIRAS ETAPAS
PRIMEIRO CAPÍTULO – As primeiras Moradas
A – Descrição das primeiras moradas
B – O pecado mortal
C – O inferno
SEGUNDO CAPÍTULO – No ponto de partida
A – Orientação para Deus
B – Disposições necessárias aos principiantes
I – A energia
II – Discrição e liberdade de espírito
III – Grandes desejos
TERCEIRO CAPÍTULO – As primeiras orações
A – Oração vocal
B – A oração litúrgica
C – Leitura meditada
D – A meditação
QUARTO CAPÍTULO – A oração de recolhimento
A – Descrição da oração de recolhimento
B – Como chegar à oração de recolhimento
C – Excelência da oração de recolhimento
QUINTO CAPÍTULO – As leituras espirituais
A – A importância da leitura
B – Jesus Cristo, o “livro vivo”
C – Escolha das leituras
I – A pessoa de Cristo: a Sagrada Escritura
II – Cristo Verdade: os livros dogmáticos
III – Cristo Caminho: Escolas de Espiritualidade
IV – Cristo, Vida na Igreja
SEXTO CAPÍTULO – Distrações e aridez
A – Natureza das distrações e da aridez
B – Causas das distrações e da aridez
1. O caráter das verdades sobrenaturais
2. A instabilidade das potências da alma
3. As doenças
4. O demônio
5. A ação, pelo menos, permissiva de Deus
C – Remédios
I – A discrição
II – A perseverança
III – A humildade
SÉTIMO CAPÍTULO – As amizades espirituais
A – As amizades na vida de Santa Teresa
B – Sua doutrina sobre as amizades
I – Importância das amizades
II – Escolha das amizades
a) Amor sensível
b) Amor espiritual-sensível
c) Amor espiritual
OITAVO CAPÍTULO – A direção espiritual
A – Importância e necessidade da direção
B – Escolha e qualidades do diretor
I – Santidade
II – Prudência
III – Experiência
IV – A Ciência
C – Deveres do dirigido
I – Espírito de fé
II – Confiança afetuosa
III – Simplicidade e discrição
IV – Obediência
NONO CAPÍTULO – Vida regrada e orações simplificadas
A – Vida regrada
B – Orações simplificadas
C – Deficiências e mal-estar
DÉCIMO CAPÍTULO – Sabedoria sobrenatural e perfeição cristã
A – Loucura e perfeição
B – As três sabedorias
C – As diversas ordens de sabedoria e a perfeição
III Parte
CONTEMPLAÇÃO E VIDA MÍSTICA
PRIMEIRO CAPÍTULO – A Sabedoria de amor
A – O que é a Sabedoria de amor?
B – O que faz a Sabedoria de amor?
I – Como Sabedoria ordena e dispõe todas as coisas para a realização dos desígnios de Deus
II – Esta Sabedoria é toda amor
SEGUNDO CAPÍTULO – Os dons do Espírito Santo
A – Natureza e papel dos dons do Espírito Santo
I – Definição
II – Virtudes e Dons
a) Diferenças
b) Relações entre virtudes e dons
III – Distinção entre os dons do Espírito Santo
B – Experiência dos dons
C – Utilidade e utilização dos dons do Espírito Santo
TERCEIRO CAPÍTULO – O dom de si
A – Necessidade e excelência do dom de si
I – (Deus não força a nossa vontade)
II – (O perfeito ato do amor)
III – (O sacrifício mais perfeito)
IV – (Dom realizado por Jesus Cristo)
B – Qualidades do dom de si
I – Absoluto
II – Indeterminado
III – Renovado muitas vezes
QUARTO CAPÍTULO – A humildade
A – Necessidade da humildade
B – Graus e formas da humildade
I – Graus da humildade
II – Formas da humildade
a) Orgulho dos bens exteriores
b) Orgulho da vontade
c) Orgulho de inteligência
d) Orgulho espiritual
C – Meios para adquirir a humildade
1. Fruto da luz de Deus
2. A oração
3. Recebê-la
4. Humilhação
QUINTO CAPÍTULO – O silêncio
A – Necessidade do silêncio
B – Formas do silêncio
I – Silêncio da língua
II – Mortificação da atividade natural
III – Silêncio interior
SEXTO CAPÍTULO – Solidão e contemplação
(Necessidade – Perigos – o Profeta – Frei Tomás de Jesus)
SÉTIMO CAPÍTULO – A contemplação
A – A contemplação em geral
I – Definições
II – As suas primeiras formas
B – A contemplação sobrenatural
I – Noção
II – Efeitos da contemplação sobrenatural
III – Os sinais
a) Utilidade dos sinais
b) Exposição dos sinais
c) Complexidade dos casos individuais
OITAVO CAPÍTULO – Chamado à vida mística e à contemplação
A – Questão preliminar
B – Questão de direito
I – Chamado geral
II – Chamado próximo
C – Questão de fato
I – Almas fora do Castelo
II – Almas das três primeiras Moradas
III – Segunda Fase
NONO CAPÍTULO – Teologia e contemplação sobrenatural
1. A contemplação é tributária da teologia
2. Ultrapassa a fórmula conceitual
3. Suas descobertas devem ser controladas pela teologia
4. A contemplação usa uma linguagem viva e saborosa
5. Sua caminhada deve ser regularizada e sustentada pela teologia
6. Contemplação e cultura espiritual: Santa Teresinha do Menino Jesus e Beata Elisabete da Trindade
DÉCIMO CAPÍTULO – A fé e a contemplação sobrenatural
A – Necessidade da fé
B – O que é a fé?
C – Modos imperfeito e perfeito do exercício da virtude de fé
D – Características do conhecimento da fé
I – Escuridão da fé
II – Certeza da fé
E – Conclusões práticas
SOU FILHA DA IGREJA
Introdução da primeira edição
IV Parte
ATÉ A UNIÃO DE VONTADE
PRIMEIRO CAPÍTULO – As primeiras orações contemplativas
A – O recolhimento sobrenatural
B – Oração de quietude ou dos gostos divinos
C – A aridez contemplativa ou oração de fé
SEGUNDO CAPÍTULO – Deus-luz e Deus-amor
A – Luz e amor na experiência mística
I – A luz e o dom da inteligência
II – O amor e o dom da sabedoria
III – Unidade da contemplação e os dois dons contemplativos
B – A experiência teresiana e a experiência sanjuanista
TERCEIRO CAPÍTULO – As Noites
A – Natureza da noite
B – Necessidade da noite
I – Danos causados pelas tendências em geral
a) Efeito privativo
b) Danos positivos (cansaço – agitação – escuridão – mancha – fraqueza)
II – Só as tendências voluntárias são prejudiciais
III – Danos causados por cada um dos pecados capitais (orgulho – avareza – luxúria – cólera – gula espiritual – inveja e preguiça)
C – Fases e modos da noite
I – Fases
II – Modos
QUARTO CAPÍTULO – Noite passiva do sentido
A – Natureza e causa da noite passiva do sentido
B – Momento e duração da noite passiva
C – Efeitos da noite passiva
I – Efeitos dolorosos (aridez – angústia – agitação – inquietação – irritação das tendências patológicas)
II – Efeitos benéficos
a) Adaptação do sentido ao espírito
b) Efeitos específicos (Luz sobre si mesmo – Luzes sobre Deus – Respeito de Deus – Humildade – Paciência e longanimidade)
QUINTO CAPÍTULO – Noite ativa do sentido durante a oração
A – Como conduzir esta noite ativa?
I – Dificuldades (diversidade das almas – intermitência da contemplação – a alma tem dificuldade para entender)
II – Meios (diretivas – os erros instruem – luz divina)
B – Noite ativa durante a oração
I – Duplo dever (respeitar a ação de Deus com o silêncio – completá-la pela
atividade)
II – Corolários práticos
1. Preparar a oração
2. Perseverar na oração ativa
3. Retornar à meditação
4. Continuar agindo com as potências
III – Aplicações às orações contemplativas
1. O recolhimento passivo
2. Oração de quietude
SEXTO CAPÍTULO – NOITE ATIVA DO SENTIDO (continuação) – A aridez contemplativa
A – Tender, pela fé, à região pacífica do espírito e aí permanecer
I – Aspiração amorosa
II – O ato de fé anagógico
B – Não fazer caso do bulício do sentido e levar-lhe algum apaziguamento por meio de certos artifícios
I – Discrição
II – Paciência
III – Algumas influências apaziguadoras
SÉTIMO CAPÍTULO – Noite ativa fora da oração
A – Ascese absoluta
B – Realização da ascese
I – A luz interior
II – Os acontecimentos providenciais
III – A prudência (evitar ocasiões – perigos do apostolado – fraqueza psíquica)
OITAVO CAPÍTULO – A obediência
A – A natureza da obediência
B – Excelência da obediência
C – Qualidades da obediência
I – Obediência ordenada
II – Obediência sobrenatural
III – Obediência completa
NONO CAPÍTULO – A união de vontade
A – A graça mística da união
B – Efeitos da graça mística: união de vontade
C – O caminho ordinário rumo à união de vontade
I – Ascese do desapego
II – Exercício de amor
III – A intervenção de Deus
DÉCIMO CAPÍTULO – O mistério da Igreja
A – O zelo das almas
B – O mistério da Igreja
C – O mistério da Igreja e a espiritualidade de Santa Teresa
V Parte
SANTIDADE PARA A IGREJA
PRIMEIRO CAPÍTULO – Enriquecimentos divinos
A – A Sabedoria, artífice de santidade
B – Características desta ação divina
I – A Sabedoria infusa do amor
II – Amor qualificado pelas profundezas onde age
III – Amor purificativo e unitivo
IV – Amor, fonte de luz
V – Amor que realiza as presenças divinas
VI – Amor que forma o apóstolo perfeito
C – As maneiras divinas de agir
I – Santa Teresa de Ávila
II – São João da Cruz
III – Santa Teresinha do Menino Jesus
SEGUNDO CAPÍTULO – Graças extraordinárias: Palavras e Visões
A – O que é uma graça extraordinária e quais são elas?
I – Definição
II – Graças extraordinárias em Santa Teresa
a) As palavras (sucessivas formais – substanciais)
b) As visões
1. Visões intelectuais de substâncias corpóreas
2. Visões imaginárias
3. Visões de substâncias espirituais
III – Qualidade destas graças
a) Palavras
b) Visões
B – Efeitos das graças extraordinárias
I – Santificação da alma
II – Luz
III – Efeitos carismáticos
C – Frequência e momento das graças extraordinárias
D – Como Deus produz estas graças extraordinárias?
I – Ação direta
II – Luzes infusas na inteligência
III – Percepções sensíveis (percepção da pessoa – não tem percepção do corpo real nas visões interiores – raras vezes nas visões exteriores)
IV – Deus utiliza os arquivos da memória
V – Deus se adapta admiravelmente
VI – Deus utiliza a causalidade instrumental dos anjos
E – Discernimento da origem divina destas graças
a) Sinais positivos
b) Sinais negativos (força divina – humildade da alma – luz – enriquecimento)
F – Atitude da alma diante destas graças
I – Não se comprazer com elas
II – Não as desejar
III – Abrir-se com um guia espiritual
TERCEIRO CAPÍTULO – A noite do espírito: o drama
A – Causas da noite do espírito
B – O drama
I – Sofrimentos interiores (completa impotência – distância de Deus – vazio e aniquilamento – ação do demônio – abandono de todos)
II – Sofrimentos exteriores
a) Comoções ordinárias, produzidas pela ação de Deus
1. Fenômenos psicológicos
2. Fenômenos físicos
3. Localizações físicas
b) Provas produzidas pelos agentes exteriores
c) Fenômenos exteriores extraordinários
1. Fenômenos físicos
a) O caso de Teresa Neumann
b) Como se produz a estigmatização?
1º) Exposição das soluções possíveis
2º) Discussão
c) Conclusões gerais
1. Fenômenos psíquicos e perturbações mentais
a) Semelhança entre os efeitos psicológicos da
noite e as perturbações psíquicas das doenças
b) Como distinguir estes diversos fenômenos
c) Concomitâncias da noite mística e das psicoses duradouras
1º) As diversas perturbações mentais
2º) Possibilidade de vida espiritual nestas diversas perturbações
C – Modalidades diversas da noite
I – Interrupções
II – Formas individuais da purificação
III – Purificação imersa na vida ordinária
IV – Misteriosa e, muitas vezes, oculta aos olhares
V – Iluminada pela luz e pela presença do amor
QUARTO CAPÍTULO – A conduta da alma: Pobreza, esperança, infância espiritual
A – ESPERANÇA E POBREZA
I – Esperança
II – Pobreza espiritual
B – A INFÂNCIA ESPIRITUAL
I – Fundamentos da doutrina da infância espiritual
II – Via da infância espiritual
a) Características essenciais
b) Como praticá-la
1. União com Deus
2. Ascese da via da infância
a) Os princípios
b) Prática da ascese da pequenez (descarta o extraordinário – fidelidade aos deveres de estado e de caridade – heroísmo alegre)
QUINTO CAPÍTULO – Auxílios e modelos na noite
A – Jesus Cristo, sacerdote e vítima
I – É necessário recorrer a Cristo nas sextas Moradas
1. A mediação de Cristo é universal
2. Mediação mais necessária nessas Moradas
3. Jesus, modelo perfeito na noite
4. Exemplos dos santos
II – Como realizar este recurso a Jesus?
1. Dificuldades
2. Experiência interior e olhar dirigido para Cristo
3. Devoção à Santa Face em Santa Teresinha do Menino Jesus
B – A VIRGEM MARIA, MÃE EM PLENITUDE
I – Jesus e Maria no plano divino
1. Primazia de dignidade
2. Primazia de eficiência
3. Primazia de finalidade
II – Papel providencial da Virgem Maria na noite
1. Maria, Mãe de misericórdia nas horas sombrias
2. Intervenção de Maria na noite do espírito
a) Formas de sua intervenção
b) Como a alma recorre a Maria na noite
c) As diversas formas de intimidade com Maria
SEXTO CAPÍTULO – Os efeitos da noite do espírito
A – Purificação moral
I – Necessidade da purificação
II – Só a noite do espírito realiza a purificação
III – Objeto da purificação
IV – Como se dá a purificação moral?
1. Ação purificadora da luz
2. Ação purificadora do amor
B – Guinada psicológica
I – Em que consiste
II – Efeitos na atividade das virtudes teologais
C – Triunfo da Sabedoria de amor
I – Luz e amor
II – Triunfo do amor (amor de alta qualidade – efeitos unitivos – dinamismo deste amor – paz e suavidade)
III – Desabrochar da luz (secreta luz – jorra da experiência – descoberta da presença divina)
IV – Etapas deste triunfo do Amor (os dois movimentos: altos e baixos das atuais disposições – contínuo progresso da caridade habitual)
SÉTIMO CAPÍTULO – Desposório e matrimônio espiritual
A – Desposório espiritual
I – Em que consiste o desposório espiritual?
II – Joias do desposório espiritual
1. Descoberta de Deus na união
2. Troca de promessas e mútua fidelidade
3. Ardentes desejos e angústias
III – Momento e duração do desposório espiritual
1. Momento
2. Duração do período do desposório
B – Matrimônio espiritual
I – A graça do matrimônio espiritual
1. A visão imaginária inaugural
2. União do desposório e união do matrimônio espiritual
3. Visão intelectual da Santíssima Trindade
4. A paz do matrimônio espiritual
II – Desenvolvimento da graça do matrimônio espiritual
OITAVO CAPÍTULO – A união transformante
A – Matrimônio espiritual e união transformante
I – As manifestações, fruto do amor
II – A luz contemplativa
III – A visão face a face
B – União transformante
I – Plenitude transformante da graça
II – Presença do Espírito Santo
1. Presença ativa do Espírito Santo
2. Presença objetiva do Espírito Santo e vida de amor
3. Presença dominadora do Espírito Santo e seu reino perfeito na alma
III – A identificação com Cristo Jesus
NONO CAPÍTULO – Os santos no Cristo total
A – O duplo movimento do amor
I – Movimento filial para com Deus
II – Movimento em direção às almas
III – Estes dois movimentos se unem no amor a Cristo
B – Apostolado do amor e missões apostólicas
I – Há missões divinas apostólicas diferentes do apostolado do amor
II – As missões de apostolado são acompanhadas por uma graça
1. Graça de preparação
2. Deus confere poderes
3. Graça para o cumprimento da missão
III – O cumprimento da missão e a perfeição da caridade
IV – Corolários
1. (Deus pede a fidelidade de amor)
2. (As obras têm um valor e são necessárias)
C – Apostolado e desenvolvimento do amor
I – O apostolado nas três primeiras Moradas
II – O apostolado sob as primeiras intervenções divinas
III – O apostolado na união de vontade
IV – O apostolado perfeito das sextas e sétimas Moradas
1. O apostolado perfeito é o fruto da perfeição do amor
2. Este apostolado perfeito é exercido na realização de uma missão particular
3. Neste apostolado, ação e contemplação se unem
4. Apostolado fecundo e colaboração delicada
ÍNDICES
Subsídio temático-analítico
Índice da Sagrada Escritura
Índice das citações das obras de Santa Teresa de Jesus
Índice das citações das obras de São João da Cruz
Índice das citações de Santa Teresinha do Menino Jesus
Índice dos nomes próprios de pessoas
Índice geral
Outras obras do autor em português

8 comentários:

Unknown disse...

Salve Maria!
O link ficará disponível?

Alexandria Católica disse...

Salve Maria!

Por ora não,

Saudações!

Unknown disse...

Como baixar o livro?

Alexandria Católica disse...

Bom Dia!

Por ora não está possível baixar este arquivo.

Saudações!

Unknown disse...

Salve Maria!!!
Queria tanto esse livro! É um tesouro para nós carmelitas secular.

Unknown disse...

Salve Maria!!!
Queria tanto esse livro! É um tesouro para nós carmelitas secular.

Unknown disse...

Ola gostaria de saber quando vc vai disponibilizar esse arquivo estou querndo ler muito bom ja que vc colocou ai na página de voces

Alexandria Católica disse...

Bom Dia!

Não há previsão, pois soube que recentemente ele foi editado.

Saudações!

Postar um comentário

Qualquer quantia tem grande valor

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2015/12/qualquer-quantia-tem-grande-valor.html

O SANTO DE AUSCHWITZ

Assim dizia São Maximiliano Kolbe:

"De muito boa vontade oferecemos leituras gratuitas a todos aqueles que não possam oferecer nada para esta obra, mesmo privando-se um pouco."

O que é ser um Benfeitor do Blog?

O que é ser um Benfeitor do Blog?
Clique na Imagem

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

Campanha "COLEÇÃO DE CATECISMOS" (de 6 a 11 anos)

Campanha "COLEÇÃO DE CATECISMOS" (de 6 a 11 anos)
Clique na imagem acima para saber como participar do lançamento! Não deixem de avisá-los de que viram esta postagem aqui. Deus lhes pague!

CLUBE DE LEITURA feminino

CLUBE DE LEITURA feminino
Clique na imagem e aproveite a oportunidade de fazer parte do clube! Não esqueçam de avisá-los de que viram esta postagem aqui! Deus lhes pague!

Devocionário ➜ Latim-Português

Devocionário ➜ Latim-Português
Clique na imagem, adquira o seu e INFORME-OS (pelo chat) que viu a divulgação AQUI, assim você também estará AJUDANDO o blog! Deus lhe pague!