2 de setembro de 2011

Tomismo

A. D. Sertillanges, O. P.
Livro de 1951 - 105 págs transcritas



ÍNDICE
CAPÍTULO I
O NOSSO FILÓSOFO
Santo Tomás vive todo inteiro na sua doutrina. — Caráter  católico e humano desta doutrina. — Santo Tomás poeta abstrato. — A intenção desta obra. — O nosso modo de ver justificado pela natureza do tomismo e pelo espírito do seu autor

CAPÍTULO II
SER E CONHECIMENTO
A. Objeto do conhecimento humano. — A reflexão sobre o fato do conhecimento esclarece o problema do ser e das suas causas.
B. Natureza do conhecimento. — Consequências. — O idealismo moderado da doutrina tomista opõe-se ao idealismo puro e ao materialismo.
C. Conclusões particulares que nos traçam o plano da concepção tomista

CAPÍTULO III
DEUS
O problema da origem do ser
I Será necessário pôr este problema? — e terá solução?
A. A pretendida impossibilidade de demonstrar a Deus.
B. A pretendida evidência de Deus — Santo Anselmo.
II. Que podemos nós saber de Deus? — Unificação das cinco “vias”. — Até onde é que precisamente nos levam. — A teodiceia.
III. Que valor têm os nossos conhecimentos acerca de Deus? — Deus é indefinível. — A Analogia meio termo entre o Agnosticismo e Simbolismo, e o Antropomorfismo

CAPÍTULO IV
A CRIAÇÃO
A. Criação e "Começo”. — A ideia de criação implicará a de um começo no tempo? — Santo Tomás e Aristóteles. — O que é a criação.
B. Eternidade ou não-Eternidade do Mundo. — Impossibilidade de demonstrar a eternidade do mundo, em oposição à fé. — O “começo” do mundo também nunca poderá ser demonstrado; é um artigo de fé.
C. A Criação estender-se-á ao universo na sua totalidade? — A Matéria. — A multidão e variedade das coisas.
A Criação e o mal.
A Unidade da Criação

CAPÍTULO V
A PROVIDÊNCIA
I. O que a ideia de Providência supõe.
A. O conhecimento em Deus. — Deus conhece todas as coisas. — Conhece cada uma em particular. — Conhecimento infinito. — Conhece o futuro. — Conhece o que ainda não está determinado a ser. — O conhecimento que Deus tem das coisas é independente das coisas e causa delas.
B. A vontade em Deus. — Seu objeto. — A liberdade de Deus. — A vontade de Deus é sempre obedecida. — A onipotência. — A vontade de Deus é justa, amorosa e misericordiosa.
II. Definição de Providência. — O que se opõe à Providência: Necessidade; Mal; Acaso e Sorte, Livre — Arbítrio. — Tentativa de conciliação

CAPÍTULO VI
NATUREZA E VIDA
I. A Natureza.
A. A Mudança. — O aspecto subjetivo da mudança.
B. A Mudança substancial. — A Forma. — A Matéria. — A Privação. Características do elemento material. — Alcance metafísico desta teoria. — O Agente. — Natureza da Ação. — Agente unívoco e não unívoco. — A geração espontânea.
C. Fins da natureza. — Natureza e Providência.
D. Determinismo e contingência.
II. A Vida. — Como é que a alma organiza o corpo? — Nutrição e crescimento. — Como se une a alma ao corpo. — Como morre o corpo. — A ação da alma e a conservação da energia. — Importância atual da doutrina do composto vivo

CAPÍTULO VII
A ALMA HUMANA
A. O lugar do ser humano na criação,
B. A inteligência — A alma incognoscível em si mesma. — Fases e condições do conhecimento intelectual. — Elaboração do universal. — Os sentidos. — O sentido comum. — A imaginação. — A memória sensitiva. — O intelecto agente. — A memória intelectual.
C. Origem da alma humana. — A alma e a geração. — Quando se dá a animação? — As almas sucessivas. — A alma e a hipótese evolucionista.
D. A sobrevivência da alma

CAPÍTULO VIII
ATIVIDADE MORAL
A. Os fundamentos da doutrina. — Caráter metafísico desses fundamentos.
B. A Beatitude. — Em que consiste na sua forma e na sua matéria — Tomismo e Aristotelismo.
C. Os atos humanos meio da Beatitude. — Por que via esses meios atingem o fim. — Novo contacto com Aristóteles.
D. O Prazer e o Bem. — Suas verdadeiras relações; seu papel na beatitude. — O prazer é um bem. — O prazer não é o primeiro bem. — Conclusões.
E. Obrigação e Sanção. — Como é que a moral tomista é em certo sentido uma moral sem obrigação nem sanção. — Natureza da lei moral. — A autonomia. — Natureza da sanção moral. O pretenso desinteresse. — As sanções naturais e as sanções para além da morte.

BIBLIOGRAFIA


OBS: Agradeço a generosidade do leitor que transcreveu esta obra para que ouvesse a sua difusão.
Que São Tomás interceda por mais este discípulo dele!

2 comentários:

Anônimo disse...

É o texto completo?

A_Católica disse...

Salve Maria!

Este arquivo possui o q consta neste índice,

Saudações!

Postar um comentário

Qualquer quantia tem grande valor

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2015/12/qualquer-quantia-tem-grande-valor.html

O SANTO DE AUSCHWITZ

Assim dizia São Maximiliano Kolbe:

"De muito boa vontade oferecemos leituras gratuitas a todos aqueles que não possam oferecer nada para esta obra, mesmo privando-se um pouco."

O que é ser um Benfeitor do Blog?

O que é ser um Benfeitor do Blog?
Clique na Imagem

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo