6 de março de 2016

O Cristão e a Dor

Richard Gräf
Edição de 1962 - 168 págs


Richard Gräf publica homilias proferidas durante a segunda guerra mundial (1939-1945) e depois, sob o impacto dos sofrimentos causados pelo estado de guerra. Serão, a seguir, apresentados os mais belos trechos deste livro: o amor de Deus e o sofrimento, a justiça divina, a expiação, a oração e a dor...

*   *   *

Richard Gräf é um sacerdote alemão que proferiu homilias sobre o sofrimento humano durante a segunda guerra mundial (1939-1945) e depois; sob o impacto do sofrimento, descobriu profundas verdades, que serão explanadas nas páginas seguintes.

1. Amor e justiça de Deus
O problema da dor é de certo o maior e o mais grave dos que se apresentam ao homem. "Quem não vencer a dor, não vencerá a vida" (p. 5)
Não obstante, na raiz de cada um de nós, como na origem da criação, há um ato de amor divino.
Com efeito; Deus é amor. E, assim como o sol não pode reter em si todo o seu calor e fulgor... assim também Deus não pode ocultar a sua plenitude de amor... É exatamente essa sua exuberância de amor que o levou a criar.
Em virtude desse amor Deus não abandona o homem pecador, mas sacrifica o próprio Filho não somente pela humanidade em geral, mas por cada um de nós. Ele a ninguém esquece.
Se Deus é amor, como falar de um "Deus justiceiro"? - Na verdade, quando Deus permite que o homem acarrete sobre si o castigo do pecado ou quando o põe à prova, Ele o faz para corrigir e prevenir. Seja lembrada a advertência de Hb 12, 3-10: o filho bem-amado é corrigido e castigado pelo pai, para que aprenda os bons costumes; o filho bastardo, pelo qual o pai não se interessa, é que é deixado solto. O amor verdadeiro não pode responder sempre "Sim"; quando necessário, tem de saber dizer "Não". Deus quer e quererá sempre o bem do homem. É São Paulo quem observa: "Se a minha carta vos causou dor... não me arrependo disso... Agora alegro-me não por ter-vos entristecido, mas porque a vossa tristeza vos levou à penitência" (2Cor 7, 8s).
Pergunta-se então: se Deus é perfeito, porque não criou um mundo em que não houvesse mal algum? - Em resposta dir-se-á: o mal não é um ser, mas é a ausência de um ser devido (assim a cegueira no homem é um mal, porque ele foi feito para ter olhos, mas a cegueira na pedra não é um mal, porque a pedra não foi feita para ter olhos). A causa dessa lacuna que é o mal, não pode ser Deus (que nunca age de maneira imperfeita), mas é a criatura, que, limitada como é, está sempre ameaçada de falhar; uma criatura que não possa falhar, é impossível; só existiria se Deus interviesse constantemente para evitar as quedas da(s) sua(s) criatura(s). É impossível existir uma criatura infalível por si mesma.
"É o amor, e não a justiça, que leva Deus a chamar-vos para tomar parte na dor do seu Filho; e, quanto maior é o sofrimento, maior é a prova de misericórdia. Estas palavras não são uma consolação barata; são a verdade em toda a sua plenitude" (p. 35).
"Tudo o que Deus faz, está certo. Quem observa apenas o lado superficial, nunca poderá compreender esta verdade: a vida é uma breve passagem, um breve período de provação... Como pode alguém compreender a alegria do semeador se não conhece a alegria da colheita? A dor e a felicidade estão tão interligadas como a semeadura e a colheita. Deus destinou-nos a um papel no teatro do mundo sem nos consultar, mas fê-lo com sábia ponderação e não ao acaso" (p. 35).

2. Alegria na dor
"Deus criou-nos para a alegria e a felicidade... O pecado dos nossos primeiros pais trouxe, porém, ao mundo... o sofrimento..., mas a natureza humana continua como dantes, feita para a alegria... Para a maioria dos homens a dor física apaga a alegria no coração; por isto Deus já se satisfaz quando aceitamos os padecimentos com paciência e resignação. Mas seria muito bom que conseguíssemos receber todo sofrimento com alegria". Deus ama a quem dá com alegria (2Cor 9, 7).
Isto não significa que devamos procurar a dor. A salvação não está na dor em si. Não podemos procurar a santificação através da dor, como fazem os faquires indianos. Na véspera de sua Paixão, o Senhor Jesus quis comunicar aos discípulos a sua alegria divina: "Disse-vos estas coisas (a alegoria da videira) para que a minha alegria esteja em vós, e vossa alegria seja plena" (Jo 15, 11).
Temos de proceder com decisão e não recuar covarde e dolorosamente perante qualquer sacrifício que de nós seja exigido, ou perante cada obstáculo que se levante á nossa natureza" (pp. 95-99).

3. O sofrimento e a oração
A oração é a atividade mais elevada do homem porque é união com Deus. A miséria ensina a rezar... Quanto maior for a miséria, mais urgente será a necessidade de pedirmos auxílio... Todas as nossas orações serão ouvidas, se tiverem por fim a glória de Deus, a salvação da nossa alma ou a dos outros. Mas, quando pedimos a Deus que nos alivie o sofrimento, não temos a mínima ideia do que é bom para nós. O que às vezes julgamos que é para o nosso bem é para o mal e o que julgamos que nos prejudica, só nos faz bem! "Se estiverdes doentes, não prescrevais ao médico o remédio que vos faz bem" (S. Agostinho).
Eis três casos significativos que a Bíblia nos aponta:
Satanás pediu a Deus a autorização para tentar Jó; o Maligno queria mostrar a Deus que os santos só lhe são fiéis enquanto o Senhor os abençoa e enriquece. Deus permitiu a Satanás que maltratasse Jó; este permaneceu fiel a Deus, de modo que Satanás, sem o prever, cavou a sua própria derrota e Jó foi altamente recompensado (Jo 1, 11; 2, 5; 42, 10).
No Novo Testamento o Senhor não atendeu às súplicas de seu grande Apóstolo Paulo, que rogou três vezes fosse libertado de um espinho na carne, um mensageiro de Satanás que o esbofeteava; respondeu-lhe o Senhor: "Basta-te a minha graça, porque é na fraqueza que se manifesta por completo o meu poder"; daí dizer o Apóstolo: "Quanto mais fraco me sinto, então é que sou forte" (2Cor 12, 7-10).
As duas irmãs Marta e Maria enviaram mensageiros a Jesus, dizendo: "Senhor, aquele que tu amas (Lázaro) está doente"; Jesus não se pôs imediatamente a caminho como esperavam as duas irmãs, mas esperou quatro dias: Lázaro morreu - o que muito entristeceu as irmãs. Somente depois de morto Lázaro, Jesus se fez presente para o ressuscitar "para a glória de Deus, a fim de que o Filho de Deus seja glorificado" (Jo 11, 1-44). Jesus demorou, mas fez mais do que as irmãs esperavam.
Pode-se citar ainda o caso de Jesus, que pediu ao Pai que o isentasse do cálice da Paixão, mas que não foi atendido nesta proposta, porque o Pai lhe tinha reservado muito mais do que a dispensa de morte violenta; Jesus morreu na Cruz, mas ressuscitou e tornou-se o Senhor dos vivos e dos mortos.
Assim também a nós, o Senhor faz esperar, e durante muito tempo: "Até quando, Senhor, clamarei e não me escutareis?" (Hab 1, 2). Ouvir-nos-á quando chegar a hora (Is 49, 8; 2Cor 6, 2). Por vezes deixa que sintamos as ameaças de um naufrágio, mas nunca permite que nos afoguemos (Mt 14, 28-32).
Como é difícil esperar! Somos impacientes e queremos tudo imediatamente... Mais difícil ainda é esperar sob o fardo da cruz, quando nada mais podemos fazer. Mas é então que as almas se purificam, muito mais do que através de uma imensa atividade. Saber esperar é a arte da vida, a arte da santificação, porque esperar serenamente quando as dores nos afligem exige mais energia, mais força de vontade do que para agir (pp. 111-118).
4. A dor que faz crescer
Ser grande nas coisas grandes não é difícil, porque nos atrai a grandeza da missão, mas sê-lo nas pequenas coisas, isso sim, é verdadeira grandeza e verdadeira santidade. É este caminho pequeno e obscuro da fidelidade no cumprimento dos deveres cotidianos que conduz à santidade.
Em muitos homens Deus tem de remover o entulho antes de começar a edificar. Para a salvação de alguns, torna-se mesmo necessário que não tenham êxitos externos, apesar da sua boa vontade. São aqueles que se têm em grande conta, que se julgam superiores, capazes de beber o cálice com o Senhor (Mc 10, 38s), de O acompanhar até a prisão e a morte. Os êxitos visíveis tornam-nos ainda mais vaidosos e eles se afastam cada vez mais de Deus. Alguns precisam de ficar cegos para começar a ver: "Para mim foi bom que me humilhasses, Senhor" (SI 118, 71). A derrota externa é muitas vezes condição fundamental para a edificação interior" (p. 91-93).
5. Expiação
Expiação é um ato inspirado pelo amor, que renova a comunhão com Deus violada pelo pecado. Cada um(a) deve fazê-lo, tendo em vista os seus pecados próprios, mas também pode fazê-lo em vista dos pecados alheios. Cristo deixou-nos o exemplo da expiação em favor da humanidade; diz São Paulo: "Ele me amou e se entregou por mim" (Gl 2, 20). Por isto o Apóstolo podia afirmar: "Alegro-me nos sofrimentos que suporto por vós" (Cl 1, 24). Ora o cristão é chamado a participar da expiação prestada por Cristo; como fazem os Santos em geral. Existe, sim, entre nós, humanos, uma comunhão ou solidariedade que nos torna responsáveis pelo bem do próximo. Diz textualmente o Pe. Gräf:
"Considerado isoladamente, cada ser humano constitui um universo mais rico e mais valioso aos olhos de Deus do que todo o resto da criação, mas é, ao mesmo tempo, um membro da humanidade... Assim como numa tapeçaria são muitos fios que formam o todo, assim também nós, humanos, estamos reunidos num conjunto... Na vida civil, exercemos uma profissão que está condicionada pelo interesse comum. O mesmo acontece no plano sobrenatural, o cristão tem um papel e uma missão que implica uma responsabilidade perante o todo pecaminoso ou virtuoso; todo ato humano se reflete nos outros. Disse-o aliás o próprio São Paulo: "Se um membro sofre, todos os membros sofrem com ele; se um membro recebe glória, todos os membros se regozijam com ele" (1Cor 12, 26).

É frequente ouvir dizer que os tempos são maus. Mas será justo falar assim? Acaso não brilha sempre o mesmo sol, não sopram os mesmos ventos... O mal não está na terra, no mar, no ar ou no fogo. O mal está em nós. Não são os maus tempos que fazem os homens maus, mas, bem ao contrário, são os homens maus que fazem os maus tempos. Tornem-se homens bons e os tempos serão outros (pp. 53-56).

Este artigo não é mais do que uma coletânea de reflexões e afirmações do Pe. Ricardo Graf em seu livro "O cristão e a dor", cujas páginas transcritas são indicadas no decorrer da explanação. 


ÍNDICE

A NOSSA VIDA É UM CAMINHO DE DOR
O SOFRIMENTO E O AMOR DE DEUS
Deus é caridade
A criação nascida da caridade

A providência e o amor
A misericórdia divina é sempre amor
Amor misericordioso mesmo quando castiga
O amor e os mandamentos
O amor e a dor
O amor e as catástrofes
Limites do amor
A DOR E A JUSTIÇA DIVINA
A dor e o pecado
O silêncio de Deus
A injustiça como meio de alcançar a santidade
Uma injustiça que é justiça
A DOR FORJA O ESPÍRITO
Amor infinito
Um grande mistério
A nossa limitação
Não é o número dos anos
«Eis o dia da salvação»
Não há cruz demasiado pesada
Cruz e Graça
Somos nós quem tem de ceder
Deus tem sempre razão
Junto de Deus
O caminho mais curto
A vontade divina e a vontade humana
Mérito e Graça
A EXPIAÇÃO
Membros da humanidade
Tudo concorre para o todo
A culpa das catástrofes
Precisamos de santos
O mal não está nos tempos
Há novos deveres e não uma nova missão
Sofrer pelos outros
O SOFRIMENTO DE CRISTO
O caminho do Senhor
Jesus aos doze anos
Em Nazaré
Sofrimento e morte do Senhor
A vontade do Pai
A dor como obediência
AS TREVAS NA DOR
O calvário, caminho quotidiano
A dor faz-nos clarividentes
Mas não deixa de ser um problema
O problema do porque
Por detrás das catástrofes está o amor divino
O sofrimento dos povos
O perigo da pobreza
A dor e o pecado
Deus não pode ser cruel
A VONTADE E A PERMISSÃO DIVINAS
Por trás de tudo está o Senhor
Comunidade de destino
Os que agora são perseguidos
A DOR QUE AGRADA A DEUS
O amor e o sofrimento em alternância
A nossa glorificação de Deus
O sacramento do momento
A renúncia nem sempre é sacrifício            
Obedecer é morrer
Trabalho e santidade
A verdadeira grandeza
Medida sobrenatural
Êxito e insucesso
ALEGRIA NA DOR?
O coração humano sedento de alegria
A dor e a alegria
Não é apenas a religião da Cruz
Toda a dor é transitória
A DOR E A SANTA MISSA
Obrigados ao sacrifício
O sacrifício do dia
A essência do sacrifício
Os sacrifícios dos pecadores e dos justos
Ofertas dignas do Senhor
Sacrifícios — Transubstanciação
«E vivo,  já não Eu» 
Não há outra alternativa
Cristo, dom e recompensa
Sacrifício e Comunhão
Sacrifício e eternidade
O SOFRIMENTO E A ORAÇÃO
A miséria ensina a rezar
«Todas as coisas que pedirdes com fé»
«Seja feita a tua vontade!»
Deus ouve-nos para nossa salvação
Em confiança plena
Saber esperar
A DOR NO MUNDO E NA ETERNIDADE
«Compreensão» do Inferno
«Foi o amor eterno que me criou»
Também há justiça no Inferno
MARIA MODELO DOS QUE SOFREM
O caminho de Nossa Senhora foi uma senda de dor
«Eu sou a serva do Senhor»
Durante a infância de Jesus
Durante a atividade pública do Senhor
Durante a vida dolorosa do filho
Um dia veremos


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qualquer quantia tem grande valor

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2015/12/qualquer-quantia-tem-grande-valor.html

O SANTO DE AUSCHWITZ

Assim dizia São Maximiliano Kolbe:

"De muito boa vontade oferecemos leituras gratuitas a todos aqueles que não possam oferecer nada para esta obra, mesmo privando-se um pouco."

O que é ser um Benfeitor do Blog?

O que é ser um Benfeitor do Blog?
Clique na Imagem

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

EM PROL do Clube de leitura masculino

EM PROL do Clube de leitura masculino
Clique na imagem acima! Não deixe de participar desta campanha!

CLUBE DE LEITURA feminino

CLUBE DE LEITURA feminino
Clique na imagem e aproveite a oportunidade de fazer parte do clube!