18 de agosto de 2019

O ambiente familiar: seus deveres e sacrifícios


Jean Violett
Edição de 1964 -  260 págs


"Quem poderá avaliar o papel preponderante, desempenhado pelo ambiente do lar, na formação dos grandes cidadãos? E, acaso, não terão sido os exemplos por eles testemunhados que, na maioria das vezes, terão influenciado e esclarecido as orientações morais e religiosas dos grandes santos?"

ÍNDICE
Prólogo
PRIMEIRA PARTE
OS PRINCÍPIOS
CAPÍTULO I
O QUE É EDUCAÇÃO?
VERDADEIRAS E FALSAS NOÇÕES

A educação, sua definição
Finalidades da educação
Libertar a criança de seus determinismos
A paixão em estado puro
Os pais, escultores da alma do filho
Falsas concepções da vida
Verdadeira e falsa noção da felicidade
O único caminho para o ideal
CAPÍTULO II
RESPONSABILIDADE DO EDUCADOR
Considerar sempre o homem de amanhã
Poderes do educador
O atributo da providência
A autoridade, delegação divina
Imperfeições dos educadores
Hierarquia das responsabilidades
Os auxiliares
Conciliação das diversas autoridades
CAPÍTULO III
O MEIO — A FAMÍLIA
A ESCOLA — AS RELAÇÕES
Influência do meio
A família
A criança adapta-se ao meio
Amor mútuo dos pais
O filho único e a família numerosa
O ambiente familiar
O meio escolar
A influência do meio na época da puberdade
Relações entre rapazes e moças
CAPÍTULO IV
O EXERCÍCIO DA AUTORIDADE
O respeito devido à criança em virtude de sua origem e seu destino
Como respeitar a criança
Ensinar a criança a respeitar-se a si mesma
A respeitar as coisas, os animais e o próximo
Definição da autoridade dos pais
A autoridade durante os primeiros anos
Exame de consciência da autoridade
Autoridade e sanções
Desinteresse necessário
A autoridade deve ser esclarecida
A autoridade deve fazer-se respeitar
Ela inspira confiança
Ela deve incentivar
Ela se adapta
O valor do exemplo
A autoridade é mais uma influência
do que um simples poder de mandar
Educar não é ridicularizar, mas esclarecer
Falsa autoridade
Despertar a confiança
Como se ganha ou se perde a confiança
Saber inspirar confiança
Os métodos da autoridade segundo as idades
O adestramento
O permitido e o proibido
A responsabilidade
Apelo à consciência
CAPÍTULO V
INFLUÊNCIA DA HARMONIA CONJUGAL SOBRE O COMPORTAMENTO DA CRIANÇA
Um problema
Vantagens da dualidade
Influência masculina e feminina
Desentendimento dos pais e desvios de consciência
Habilidade da criança para escapar à autoridade
Consequências sobre a formação da consciência
As indecisões da criança
Partilha das responsabilidades entre o pai e a mãe
Dedicação comum
O equilíbrio moral dos esposos pelo filho
Consequências da desunião sobre a evolução:
1ª) dos sentimentos;
2ª) da vida moral;
3ª) do coração
CAPÍTULO VI
LIBERDADE E AUTORIDADE
A criança nasce caprichosa
As espontaneidades infantis devem ser orientadas
Como conciliar os dois termos da educação: autoridade e liberdade?
Os excessos do sistema autoritário
Os excessos do sistema libertário
Definição da liberdade
O papel do sentimento na formação da vontade moral
Autoridade e liberdade nas diferentes fases da educação
Os primeiros anos
A idade da formação sensorial
A idade da formação da inteligência
A fase da puberdade
CAPÍTULO VII
AS SANÇÕES
Serão necessárias as sanções?
As sanções físicas
Evolução moral das sanções
Eficácia das sanções
Sanções reparadoras
Estímulos necessários
Sanções e domínio de si

SEGUNDA PARTE
FORMAÇÃO DAS FACULDADES
CAPÍTULO I
HIERARQUIA DAS FACULDADES
Os primeiros hábitos
A atividade sensorial
A fase das perguntas
Aparecimento da consciência moral
As crenças religiosas
Coordenação dos valores
O equilíbrio do julgamento
A formação das noções gerais
CAPÍTULO II
ALEGRIA E TRABALHO
O BRINQUEDO E SEU VALOR EDUCATIVO
A formação das faculdades por meio do brinquedo
Evolução progressiva dos brinquedos
 O berço
As atividades sensoriais
Os jogos coletivos
Os jogos e o desenvolvimento das faculdades
Conhecimento da criança graças ao brinquedo
O papel do educador
O brinquedo e a orientação profissional
O desejo de sucesso
A alegria na educação e os divertimentos
Distinção entre o brinquedo e o divertimento
Distinção entre o repouso e o divertimento
Variedade de divertimentos
Finalidade dos divertimentos
A escolha dos divertimentos
Divertimentos estéticos
Divertimentos do corpo
Distrações intelectuais
Divertimentos e vocação
CAPÍTULO III
FORMAÇÃO DA VONTADE
A vontade: definição do ato moral
Inteligência e vontade
Necessidade de um ideal
Perseverança no esforço
Estimular os êxitos infantis
CAPÍTULO IV
FORMAÇÃO DA INTELIGÊNCIA
Valor moral da linguagem
Consequências morais
Importância da atenção para a formação da inteligência
A atenção na criança muito pequena
No colegial
Na época da puberdade
Condições primordiais do desenvolvimento da inteligência
Interpenetração da ação e do pensamento
A idade das perguntas
Confiança natural da criança
Procura da verdade
Falsos métodos
Como orientar o espírito de investigação da criança
A formação da inteligência e os métodos escolares
Evolução da inteligência
Erros devidos à atividade da imaginação
Formação das ideias gerais
A observação analítica
O controle do real
Exercícios mecânicos
Eles liberam as potências ativas do espírito
A educação da atenção
A educação e a reflexão
A inteligência no adolescente: o espírito crítico
Como proceder com os adolescentes
Papel da admiração
CAPÍTULO V
FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA
Franqueza e mentira
Definição: franqueza consigo mesmo, com o próximo
Dissimulação instintiva
Franqueza e liberdade
Covardia e mentira
Temor e mentira
Mentira e amor-próprio
Mentira e egoísmo
Outras espécies de mentiras
Responsabilidade do meio em face das mentiras infantis
Mentira e imaginação
A mentira para consigo mesmo
CAPÍTULO VI
FORMAÇÃO DA IMAGINAÇÃO
Definição
A imaginação no sábio
Educação da imaginação:
1ª) Ensinar a observar
2ª) Procurar a explicação
3ª) Verificar-lhe o valor
Desvios:
1º) Falta de controle
2º) Credulidade
Destruição da confiança
Apelo à ficção
Características da imaginação nas diferentes idades
A imaginação nos pequeninos
A imaginação na época da puberdade
A imaginação nos adolescentes
Os estados de alma e a imaginação
O papel da sugestionabilidade na formação da inteligência
A sugestionabilidade na criança
Responsabilidade do educador
Os possíveis abusos
A autossugestão
CAPÍTULO VII
FORMAÇÃO RELIGIOSA
Os pais, primeiros educadores da criança
Função do exemplo
Religião e virtudes naturais
Falsas orientações
Ficções e ensino religioso
Conhecimento de si
Arrependimento
Presença de Deus
Descoberta de um mundo novo
Perigo de imoralidade
Perigo de ceticismo
A adolescência
Perigo de exaltação religiosa
Crise das práticas religiosas
O espírito crítico
Os remédios
TERCEIRA PARTE
FORMAÇÃO DA PERSONALIDADE
CAPÍTULO I
A EVOLUÇÃO DA CRIANÇA
A evolução da personalidade
O recém-nascido
Cego e apaixonado
Primeiras fases da evolução
Os primeiros anos
Educação sensorial
Coragem e força corporal
Ordem e desordem
Exercícios variados
Perseverança e perfeição no trabalho
Papel da sensualidade: definição
Sensualidade da primeira infância
Sensualismo da puberdade
Como dirigi-la?
Papel da sensualidade nas sanções
A luta contra o sensualismo na fase da puberdade
Domínio de si
Função das alegrias morais e espirituais
A preguiça
Diversidade de tratamentos
CAPÍTULO II
A CRISE DA PUBERDADE
Mudança nos métodos
Procedimento errado
Adaptação dos métodos
Sonhos do futuro
Como orientá-los?
Consequências funestas dos erros da primeira educação
Características da idade ingrata
Instabilidade
Insuficiência do ambiente familiar
Primeiros contatos com a vida social
Desenvolver o senso da responsabilidade
As apreciações do adolescente
Espírito de contradição
Não chocar seu amor-próprio
A função das conversas
O adolescente julga os que o cercam
Ele pretende forjar-se um ideal pessoal
Função da admiração
Sentimento de força
Atração mútua dos sexos
Sensibilidade à flor da pele
Deve-se falar?
O que se deve dizer
Educação da pureza, consequências do mau procedimento
Responsabilidade dos educadores
Condições morais da iniciação
A iniciação
1º) Do menino
2º) Da menina
 Os perigos do silêncio
Papel da imaginação
Do amor-próprio
Educação do sentimento
As responsabilidades masculinas
As responsabilidades femininas
O casamento
CAPÍTULO III
A FORMAÇÃO DO CARÁTER
Definição do caráter
Não confundi-lo com as tendências naturais
Nem com a teimosia ou a energia
A formação do caráter
Caráter e disciplina
A formação do caráter é uma luta
Função das aspirações pessoais
Falsa orientação do caráter
Papel do ambiente
Das emoções
O senso do esforço
O caráter não é incompatível com a fraqueza física
Papel da vocação
Dos hábitos
Das responsabilidades
Na família
Fora do círculo familiar
O senso da autoridade
CAPÍTULO IV
ESCOLHA DE UMA VOCAÇÃO
A vocação em geral
Preparação para a escolha de uma vocação
Valor moral e religioso do trabalho
Erros a serem corrigidos
Erros masculinos
Erros femininos
Orientação profissional
Ambição profissional
Desinteresse dos pais
Sua função
Papel da criança
Conflitos em torno da vocação
A escolha
Obstáculos à livre escolha
Solução dos conflitos
Realizações diferidas
CONCLUSÃO


_________
Obs.: Meus sinceros agradecimento à alma que tornou possível a postagem desta obra essencial às famílias. Que Nossa Senhora lhe recompense!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qualquer quantia tem grande valor

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2015/12/qualquer-quantia-tem-grande-valor.html

O SANTO DE AUSCHWITZ

Assim dizia São Maximiliano Kolbe:

"De muito boa vontade oferecemos leituras gratuitas a todos aqueles que não possam oferecer nada para esta obra, mesmo privando-se um pouco."

O que é ser um Benfeitor do Blog?

O que é ser um Benfeitor do Blog?
Clique na Imagem

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

Agradeço aos amigos virtuais pelo selo

EM PROL do Clube de leitura masculino

EM PROL do Clube de leitura masculino
Clique na imagem acima! Não deixe de participar desta campanha!

CLUBE DE LEITURA feminino

CLUBE DE LEITURA feminino
Clique na imagem e aproveite a oportunidade de fazer parte do clube!