17 dezembro, 2020

Após a morte, estas anotações converteram seu esposo

 
 
Elisabeth Leseur
Edição de 1945 - 350 págs

“A vida de todos nós é uma responsabilidade, e somos culpados, não somente do mal que fazemos, como do bem que deixamos de fazer.”

1866 - 1914
Elizabeth Leseur. Era esposa de um ateu. Após sua morte, seu marido lendo suas anotações em o "O Diário de Elizabeth Leseur" converteu-se, passando a ser um católico fiel e religioso dominicano. Elizabeth Leseur foi declarada Serva de Deus 


[...] Com este título, “A VIDA ESPIRITUAL”, acham-se reunidas algumas das obras mais importantes como pensamento, e mais perfeitas como expressão, que Elisabeth Leseur escreveu. Atuarão talvez, mais decisivamente ainda sobre as almas dos leitores do que as suas obras precedentes, o JORNAL e as CARTAS SOBRE O SOFRIMENTO. 

Estou convencido que, no ponto de vista da direção e da formação ascética, terão alcance muito mais considerável. O único laço que liga estas obras é o de serem todas consagradas à vida interior, e, no entanto, constituem elas um conjunto harmonioso, pois que algumas mostram o método de oração meditativa de retiro íntimo no recôndito da consciência no contato com Deus pela oração, método pelo qual Elisabeth pouco a pouco se formou no apostolado muito pessoal e particular que é o seu; enquanto as outras são apenas a própria manifestação desse apostolado. Com efeito a sua vocação foi ser “apostolo”. Ela claramente o discerniu, folgava em prová-lo e por vezes em apregoá-lo; bastará reler o JORNAL e as CARTAS SOBRE O SOFRIMENTO para aí encontrar essa afirmação frequentemente repetida, e no volume atual, no RETIRO MENSAL principalmente, vemo-la de novo formulada, com precisão impressionante. Como compreendia ela o seu apostolado? Eis a resposta a esta pergunta em rápidas citações tiradas do JORNAL: “Sei bem, escreve ela, o que encerra esta palavra apóstolo, todas as obrigações que cria. Primeiro, a obrigação de uma vida interior cada vez mais intensa; mais que nunca buscar na Eucaristia e na oração a modesta serenidade, dar às minhas intenções um fim puramente sobrenatural. Depois, cultivar meu talento, aumentar de um modo profundo e metódico meus conhecimentos em todas as matérias que minha inteligência aprende e estuda com facilidade; nada fazer de modo rápido, superficial; adquirir tanto quanto me for possível, competência nos assuntos que tratar. Transformar, santificar esse trabalho intelectual, dando-lhe uma intenção sobrenatural, cumprindo-o humildemente, sem nenhuma preocupação pessoal, só com sentido nas almas.” E ainda: “Pedir a Deus que me dê, cada vez mais, a ciência das almas. Chegar-me a elas pela inteligência, pelo coração; para isso, fortalecer uma, abrasar o outro. Trabalhar e agir com calma.”

Enfim, mais adiante, pois seria fácil multiplicar estas notas: “Antes de agir tranquilizarmo-nos; banirmos de nossa alma, pelo recolhimento, tudo o que possa perturbá-la ou agitá-la, fortalecermos a vontade pela oração e meditação; depois pormos mãos à obra humilde, viril e alegremente."

Espero poder deste modo demonstrar claramente a caridosa solicitude com a qual Elisabeth, depois de morta, assim como antes, prossegue em seu apostolado [...]

F. L.

[...] Nosso-Senhor Jesus-Cristo disse: “Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, fica estéril; mas se morrer, dará muitos frutos (1).”

Verificou-se esta palavra ao pé da letra com relação à Elisabeth Leseur.

Enquanto viveu esteve sempre escondida; sua doce e benéfica influência se fez sentir apenas ao pequeno número de íntimos; não teve a alegria de ver voltar a Deus a alma que queria mais que a todas e para a qual oferecia, sem esmorecer, preces e sacrifícios.

Depois de morta, ao contrário, manifestou-se logo a fecundidade de sua vida e de seu apostolado [...] Esta ação há de continuar a exercer-se em proveito das almas que leram este novo volume [...]



Desenho de Charles Duvent representando Elisabeth Leseur no seu leito de morte


A PROFECIA DE ELISABETH LESEUR A SEU MARIDO

 Deixemos que seja o próprio Félix Leseur a contar-nos:

- Hei de morrer antes de ti – disse-me ela a queima-roupa, ao terminar uma conversa.

Por que me dizeis isto? – respondi – como o sabeis?

Sei, com todas as doenças que tenho tido e os vestígios profundos que elas deixam em meu organismo, isto é certo.

Mas não, as saúdes delicadas são em geral as mais duráveis e a tua não está tão comprometida como o supões.

Sim, morrerei antes de ti. E, quando eu morrer, hás de te converter e quando estiveres convertido, te farás religioso. Serás Dom Leseur ou o Padre Leseur. Serás o Padre Leseur.

Mas é absurdo o que dizes. Conheces minhas ideias e meu agnosticismo só tem se acentuado, assim como a minha hostilidade.

Verás, – disse ela certamente para terminar – verás.

 Depois de longos sofrimentos, Elisabeth morre no dia 03 de maio de 1914, nos braços de seu amado Félix.

 Em 1919, Félix entra no noviciado dos Dominicanos, seu nome religioso será Frei Marie-Albert Leseur, e em 08 de julho de 1923, menos de dez anos após a morte de Elisabeth, ele é ordenado sacerdote.

 Ele se encarregará da publicação de seus escritos íntimos, cartas, etc., e de preparar a sua causa de beatificação, até sua morte em 1950.


Casal Leseur em 1910

2 comentários:

Paulo disse...

Muito obrigado e que Deus lhes recompense abundantemente. Salve Maria!

Alexandria Católica disse...

Salve Maria, Paulo!

A ajuda dos leitores é fundamental para que as obras possam estar aqui!
Agradeço a sua que contribuiu para isto! Deus lhe pague!

Saudações!

Postar um comentário

O SANTO DE AUSCHWITZ

Assim dizia São Maximiliano Kolbe:

"De muito boa vontade oferecemos leituras gratuitas a todos aqueles que não possam oferecer nada para esta obra, mesmo privando-se um pouco."

Qualquer quantia tem grande valor!

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2015/12/qualquer-quantia-tem-grande-valor.html

VOCAÇÃO ➡ Quer ser MONJA REDENTORISTA? Clique no Banner para mais informações

Tipos Psicológicos

Obras Raras DO BLOG sendo reeditadas *Livraria Caritatem*